quarta-feira, fevereiro 18, 2009

"O Priorado do Cifrão" - João Aguiar


Acabei de ler este livro no início desta semana, para começar deixo a sinopse

Sinopse
Em Londres, na sala do Museu Britânico onde está exposto o Estandarte de Ur, foi encontrado morto Sir Alastair Hopkins-Smith, um conhecido académico inglês. O corpo estava numa estranha posição, com o polegar da mão direita metido na boca, como se estivesse a chuchar no dedo.Paralelamente, há outras ocorrências: o desaparecimento misterioso, na Áustria, de outro académico, o Prof. Heinrich Loewe; e a morte, num acidente de viação suspeito, de um escritor português, Alfredo Estria, um velhote excêntrico que escreve e publica obras de cunho esotérico. Há algo de comum nos três homens: todos eles se preparavam para atacar violentamente um livro que acaba de ser lançado nos Estados Unidos e promete ser um êxito mundial, o romance The Caravaggio Papers, de Ben Browning, que, através de um suspense bem urdido, passa a mensagem de que, na sua origem, a doutrina cristã era de tipo orgiástico… The Caravaggio Papers foi publicado por um grande grupo editorial de origem americana, a Thoth International, que detém uma editora portuguesa, a Codex 3, onde trabalha Miguel, o jovem protagonista deste romance.

e um comentário do autor:

"De facto - disse o escritor à agência Lusa - neste momento temos um surto dos chamados livros `light` ou de literatura que é puramente comercial, que caracteriza o momento actual e convém raciocinar sobre ele".

Assim deste forma, João Aguiar vem escrever um livro em que quer expor o que ele chama de Literatura "Light" e numa clara crítica implícita aos livros de Dan Brown ("Ben Browning" anyone??) que se baseiam em supostos factos históricos e que as pessoas por falta de informação e pela qualidade da informação que recebem hoje em dia tomam por verdadeiros.

O livro não é um mau livro, mas para quem crítica o estilo da escrita vem fazer um livro muito dentro das mesmas linhas. Apesar de gostar dos livros de Dan Brown, percebo o que João Aguiar quer dizer e criticar.

Em relação à história em si, gostei mas vocês já sabem como eu sou picuinhas e que há coisas que me irritam quando para mim não fazem sentido nenhum e, neste caso são as reacções do protagonista por exemplo aos atentados que sofre, acho que aquelas reacções não são as reacções de uma pessoa normal de 25 anos, acho que não faz sentido, não vou revelar quais são para evitar spoillers.

Assim sendo aqui fica a

NOTA: 12/20

2 comentários:

Hugo Lopes disse...

O João Aguiar vai estar no Clube de Leitores de Campo de Ourique, da livraria Bulhosa, dia 17 Março, às 18.30. Vamos falar sobre o livro dele e trocar ideias...

Muse disse...

Obrigado pela dica, infelizmente moro no Porto e assim não posso estar presente, mas sempre serve de indicação a visitantes aqui do blog e que possam estar presentes!